Tags

,

Bastardos Inglórios
Bastardos Inglórios
Bastardos Inglórios
Bastardos Inglórios
Bastardos Inglórios

Bastardos Inglórios
Quentin Tarantino

“Foram quase dez anos matutando o roteiro de um filme de guerra que trazia o nome de um clássico cult italiano dos anos 70. Tarantino previa a reunião de astros como Schwarzenegger, Stallone, Bruce Willis e toda estrutura de uma superprodução, algo difícil de conseguir para um diretor que, até então, havia feito três (ótimos) longas contidos dentro de gêneros modestos, sem a grandiosidade planejada para tal projeto. Kill Bill e À Prova de Morte confirmaram que Tarantino é capaz de comandar materiais de qualquer espécie e permanecer fiel ao seu estilo. Adotando uma postura madura, fez de Bastardos Inglórios sua obra-prima, um espetáculo recheado de elementos emprestados a Leone, Aldrich, Thompson, Castellari, um universo de citações e homenagens, sem nunca perder de vista as suas próprias peculiaridades, não apenas a capacidade de escrever diálogos brilhantes e a paixão pulsante pelo cinema, mas toda visualidade que impõe em cada passagem, a reinvenção histórica, também a presença impressionante de Christoph Waltz e toda riqueza de dados e detalhes que colocam esta maravilha numa posição de destaque entre os grandes filmes da década” (Ronald Perrone, Dementia 13).